Love-you-candle-light

Hoje vou apresentar aqui um exercício simples e direto de comunicação com o Astral Superior.

Antes de apresentá-lo, porém, gostaria de fazer algumas breves observações. A primeira delas é que muitas religiões e doutrinas por aí no que diz respeito à comunicação com o “além”, procuram incutir no adepto um medo de tentar qualquer coisa que seja fora do local frequentado. Ora ninguém tem lugar e hora reservados só pra ver, pra sentir, pra cheirar, pra ouvir, pra sentir gosto… Se as experiências sensoriais nos acompanham da infância e a todo momento, por que esse grande medo no que diz respeito ao nosso sexto sentido que é essa sensibilidade, ou como queiram chamar (mediunidade, paranormalidade, etc.)? Muito mais e melhor fariam esse pessoal em educar as pessoas no uso e na apreciação de uma faculdade que é natural, a faculdade de sentir e se comunicar com o Astral e que em alguns vai ser maior ou menor, mas em todo mundo, seja ateu ou crente, vai estar lá.

Vamos sempre lembrar de uma coisa para tudo nessa vida: MEDO NUNCA, CUIDADO SEMPRE.

O medo é uma emoção totalmente ruim, muito presa à crença mental no negativo. Já o cuidado é uma atitude interior de estar precavido e atento, ter bom senso. O medo frequentemente vai te paralisar, afastar das coisas que mais quer, e até atrair o que mais teme. Já o cuidado vai te ajudar a chegar onde quer sem grandes danos. Você prefere ter medo de uma pessoa, ou ser cuidadoso em relação a ela? Qual dessas posições te dá mais poder? Sobre se comunicar com o Astral funciona da mesma forma. Ter medo o enfraquecerá e aí sim porta aberta pra tudo de mais maluco que possa acontecer.

O Exercício da Vela, como eu o chamei, é nada mais é do que um momento em que você vai se sentar com o Espiritual e realizar uma comunicação com ele diante de algo que você esteja precisando, uma resposta, um fato, ou de uma situação que esteja passando seja ela qual for. Você vai precisar espiritualmente de duas coisas básicas: intenção, e aquela figura que você tem mais fé. Materialmente de outras duas: 01 vela, 01 canto na sua casa.

Intenção: é a base de todo rito e procedimento espiritual. Não é tão simples quanto parece. Durante todo o tempo que você estiver realizando este exercício ou qualquer outra coisa, precisa ter a intenção no que está fazendo. “Eu estou aqui, agora, para me comunicar com o astral”. Assim, firme. Ter no coração essa vontade e essa firmeza. Se você faz sem intenção tudo se perde, é a mesma coisa que não fazer nada. (Vai lá tomar um passe com uma pessoa que não está com a intenção firme e venha me dizer se não é a mesma coisa que nada).

Figura que você tem mais fé: se vocês trabalhassem com o Astral como eu, lidando com gente de tantas crenças diferentes, ficariam muito surpresos ao constatar que quando você pergunta “qual é a figura que você costuma recorrer quando tem problemas, quando precisa de uma ajuda espiritual?”, e a resposta por vezes evoca algo que nada tem a ver com a prática religiosa ou espiritual “oficial” da pessoa. Não importa quem ou o que é: se for o próprio Deus, se forem deuses ou deusas, se é um orixá, um santo, um mestre ascencionado, um dragão, uma fada, a mãe natureza, a água, o arcanjo Miguel, uma entidade, etc. Aqui não há preconceitos e o motivo é simples. Precisamos usar aquilo que seja espiritual e mais te sensibilize, e se te sensibiliza é porque te coloca em sintonia com o Astral Superior, isso “facilita” a coisa toda. Por favor, nada de pensar “eu deveria” ou “eu não deveria”. Cada um dentro de si procure essa figura.

Vela: você pode utilizar a vela de sua preferência. Dependendo da figura que você tenha fé pode ser que exista alguma cor ou formato que se associe a ela. Se você encontrar e quiser usar uma vela colorida, ou com aroma, bárbaro, parabéns. Mas se quiser usar uma vela coringona branca, ótimo. Vai dar no mesmo. O importante como no item anterior é você sentir qual vai ser a mais adequada, aquela que te chama a atenção do sentimento. Se você pensar e sentir ao mesmo tempo “é essa aqui”, fechou.

Canto na sua casa: todo e qualquer espiritualista deve se possível ter em sua casa um cantinho dedicado às suas meditações, orações, objetos, etc. Ali é um tipo de “altar” pessoal, o ponto de força que você vai sempre se voltar quando precisar fazer sua chamada pro Astral Superior, seja pra agradecer, ou pedir, ou só reverenciar numa passada casual. De novo, sem intenção as coisas não têm força. Se você vai fazer um altarzinho, faça e ponha todos os elementos com intenção de estar fazendo um espacinho sagrado. Se não é só um lugar qualquer.

Feitas as considerações, vamos lá!

Exercício

  1. Vá para seu cantinho de conexão com a Luz Divina e reserve um tempo de preferência sozinho para começar o exercício, um horário calmo e sem muito barulho ao redor;
  2. Faça uma breve abertura de acordo com sua crença pedindo a presença e a proteção da Luz;
  3. Abençoe, consagre, a vela que será utilizada colocando a intenção que ela funcione como meio de ajudá-lo a entrar em contato com sua figura de fé;
  4. Acenda esta vela cuidadosamente e a posicione (sim, certifique-se de que ela não irá ocasionar um incêndio durante ou depois);
  5. Evoque sua figura de fé com a intenção de sentir sua presença, de ela estar ali com você naquele momento em comunhão através da presença da chama acesa;
  6. Realizada a evocação, espere um pouco, veja como irá se sentir;
  7. Conversa de coração aberto, em voz alta, como se estivesse realmente contando a uma outra pessoa, explicando seus sentimentos, os aspectos envolvidos, suas expectativas ou frustrações, o que imagina que seria interessante, e fazendo seu pedido, de maneira aberta;
  8. Encerre com um agradecimento dentro da sua crença e deixe a vela queimar.

Simples, não?

Quando falo de maneira aberta, quero salientar que o Astral possa enviar até você a resposta ou sinal que você precisa e não necessariamente o que você quer. Se você quer a verdade, esteja pronto pra verdade. Às vezes não é agradável que você deseja muito algo, pede, e na semana seguinte descobre que é você mesmo que esteve todo o tempo pisando na bola e precisa mudar algo. Esteja pronto. Isso é maturidade espiritual e ter boa vontade. Os espíritos AMAM boa vontade.

Na minha experiência pessoal a resposta quase nunca é instantânea. Ela virá ao longo da semana em sonho, ou numa mensagem, ou através de outra pessoa, ou por um acontecimento, uma reflexão súbita. Você saberá na hora porque vai lembrar do momento em que esteve conversando com sua figura de fé utilizando a vela. A partir daí faça uso da sua inteligência, se for orientação mãos à obra, se for espera espere, e se receber algo diretamente não esqueça de agradecer. O Universo AMAM gente agradecida (assim como você também detesta gente ingrata que eu sei, fica com nojo, nem dá mais nada pra pessoa, e ama e dá mais pra quem dá valor ao que recebe).

Por fim, esse jeito de conversar de maneira mais casual sem fazer uma poesia verbal ou uma oratória daquelas, é justamente pelo que eu estava falando antes: a intenção. Quanto mais natural você for e estiver despreocupado de fazer uma floreio, vai entrar mais em contato com seus sentimentos, vai poder colocar e conhecer melhor o que se passa com você, vai ter mais força na intenção de se comunicar do que na intenção de parecer bonitão ou bonitona intelectual espiritual. Ser verdadeiro é essencial, uma fala simples do seu jeito. Desabafar como se desabafa com um amigo, pois é isso que as forças do bem são.

É o que temos para hoje, espero que ajude, inspire e estimule alguém, e qualquer comentário ou relato de como foi sua experiência, não deixe de vir aqui comentar com os colegas.

Um abraço com todo desejo de Paz e Luz!

light_wave_wallpaper_by_csys_279-d3775gz

A partir deste post, vou eventualmente contar algumas experiências e vivências pessoais minhas, alguns pensamentos, sem pretensão ou objetivo de convencer ninguém a nada. Quero apenas compartilhar certas coisas da minha vida, e que eventualmente têm mais perguntas do que certezas. Para iniciar esta nova “categoria”, decidi falar sobre minha experiência com os Orixás.

Há cerca de um ano e meio atrás, eu comecei a pesquisar algumas coisas e por coincidência um amigo meu espiritualista também, as quais a meu ver falavam sobre o que a Igreja Católica denominou de “Espírito Santo”. Para quem tem certa familiaridade com o Catolicismo, sabe bem que é quase um mistério o que é exatamente este Espírito Santo além de alguma coisa em formato de língua de fogo e que desceu sobre os discípulos despertando neles diversos dons espirituais. Nesta época, quando meu amigo comentou desta nova energia que ele chamou de princípio vital, fui (como boa curiosa) visualizar e perceber, e descobri que o tal PV (vou abreviar) era muito luminoso e ondulava, e não tinha sido a primeira vez que eu havia visto algo desse tipo nas minhas projeções por aí.

O que isso tem a ver com os Orixás? Vocês logo vão entender.

A qualidade deste tal PV é que ele era a energia mais potente que eu e meu amigo já tínhamos visto. Era como se ele fosse a célula-tronco de todas as energias possíveis existentes no Universo… Aliás, mais que isso, que ele antes de energia, fosse mesmo um princípio que ordenasse e interferisse em qualquer coisa material e que está em tudo. Este PV também possuía uma sensação de presença e aparente inteligência, porém sem (aparentemente) consciência como a minha ou a sua. Algo realmente diferente. Eu logo o associei ao Espírito Santo que não é Deus, não é Homem, mas é algo. Esse algo que era pura luz e potencial.

Sobre Orixás, minha ideia sobre o assunto sempre foi meio rudimentar. Eu tinha a noção que eles seriam deuses africanos, e mais tarde no Espiritismo, imaginava que foram em algum momento espíritos mais evoluídos que teriam sido cultuados como deuses nestas regiões. Eu não via ou acreditava em nada particularmente especial a respeito disso.

Foi quando algo cruzou meu caminho. Aliás o caminho da minha família.

Uma pessoa que entrou pra minha família há uns anos, desde o fim de 2014 e início de 2015 começou a fazer trabalhos espirituais (magia negra, feitiçaria, demanda, etc.) para o domínio, mal e até o cúmulo de morte de familiares meus. Nesta época meu entendimento de “desmanche” dessas coisas era zero. Sabia desfazer uma energia de pensamento negativo, mas não algo complexo a meu ver com era aquilo. Pois bem, como todos sabemos, “a ocasião faz o ladrão”, fui obrigada a aprender a lidar com essas coisas, adquirir conhecimento, lidar com guias… E foi aí que comecei a ter contato com as primeiras entidades de Umbanda (que apareciam pra ajudar pois Umbanda só faz o bem e se parece Umbanda e pratica o mal é outra coisa), e eu que sempre fui cética sobre qualquer efeito de mandinga, comecei a pensar duas vezes assim como a respeitar, entender e valorizar o trabalho destas boas e iluminadas entidades umbandistas.

Num determinado momento, tivemos um problema judicial que tinha um emperramento encomendado — adivinhem por quem — pelo meu querido familiar adepto do mal. Tentei e tentei algumas coisas e nada… Como nessa época eu já tinha contato com uma mãe de santo (Mãe Ângela de Oyá) comecei a perceber que eu tinha muito preconceito e que muita coisa ali fazia sentido, e com as entidaes me ajudando, eu já estava mais aberta, receptiva a “novidades”, resolvi tentar “algo de diferente” (risos). Sabendo que o Orixá da justiça era Xangô resolvi pedir e evocar a presença deste Orixá.

Qual não foi minha surpresa quando vi aquela emanação surgir? Ela era avermelhada, alaranjada, algo que lembraria uma lava suave em forma de ondas de luz. Ele me atendeu e ajudou, e alguns dias depois tudo desemperrou e em um mês estava resolvida a questão toda.

O que me deixou intrigada foram algumas coisas: a forma, e a sensação. Primeiro, não era um espírito — definitivamente não. Segundo, ele era virtualmente igual ao Espírito Santo ou PV que eu já tinha visto, e era capaz de por si “decidir” se seria pro bem maior auxiliar, tornar-se disponível ou não, na diferença apenas de parecer um aspecto filtrado, um “segmento”. Terceiro, ele emitia uma sensação, isto é, uma força ou presença característicos deste Orixá (Xangô, caso você tenha se distraído).

Depois disso lógico que eu fui estudar um pouco.

Teve uma época no fim do ano passado que eu comecei a passar umas dificuldades, e como a mãe de santo minha amiga, havia dito que eu era filha de Iemanjá, resolvi tentar me comunicar com a “tal” de Iemanjá que eu já conhecia mas não tinha toda essa intimidade. Pois fique sabendo que nos momentos de necessidade absolutamente tudo que pedi de coração, Iemanjá respondeu… Nem sempre trazendo o que eu queria, mas sempre com a verdade que às vezes é bem desagradável mas me faz entender meu pedido, o motivo daquilo não acontecer, ou o que preciso fazer pra alcançar. Comecei a ter fé nessa manifestação mesmo sem ter total compreensão da diferença entre rezar pra um espírito amigo e pra um Orixá. Também descobri que eles realmente são ou originam ou influenciam forças da nossa natureza da Terra, e realmente Iemanjá tem ligação com as águas, mas ela também é algo mais, é como se ela tocasse tudo que tem a “noção” de águas. A única vez que realmente vi Iemanjá num Reiki foi num momento em que a força dela particularmente era muito necessária, e vi aquela vibração poderosa descer e as águas infinitas tomando tudo, mas de novo, não uma pessoa ou espírito, não um elemental, não um “deus”, mas “algo” que não sei definir – ainda.

Depois que comecei a me afinizar com Iemanjá, também fui percebendo que com ela eu realmente tinha mais facilidade de me comunicar, ela e Oxalá. Com os demais às vezes via essas vibrações em escalas reduzidas, proporcionais ao trabalho que eu estava fazendo, ajudando espontaneamente uma pessoa ou outra. Um toque de Oxum aqui, ou Ogum ali, etc. Uma vez senti literalmente o lugar se encher de uma água cristalina e que eu estava num colo, num acolhimento, cheio de vibração dourada, que é Oxum.

Outra vez me sentei com uma vela lilás para Nanã, pois eu estava um pouco preocupada com um problema, e logo que acendi e fui pedir uma ajuda pra sabedoria de “avó” dela, minha mente simplesmente parou. Eu fiquei com a cabeça vazia e quando voltou a funcionar, em uma ou duas frases resumi tudo e só isso foi de muita ajuda pra mim mesma. Nanã seria a anciã, a senhora da sabedoria e das águas paradas.

Outro contato incrível foi com Oxalá, também num trabalho em que ele desceu, este raio branco, girando, ondulando, e o que mais o distinguiu é que ele era puro amor, um amor que nem sei definir mas que me fez chorar um pouco naquela noite. Oxalá não era Deus, nem Jesus, e nem nada do que já referi que se possa pensar ser um Orixá, embora eu compreenda a conexão com atributos destes pela emanação branco-luminosa carregada de amor.

E claro, o que vi além disso também eram entidades que trabalhavam em nome de Orixás ou secundavam o PV em si, assim como outras energias e elementais ou encantados como queiram chamar relacionados a eles.

Minha amiga pomba-gira Maria Mulambo das Encruzilhadas foi quem por muito tempo me esclareceu algumas coisas, agora ela foi chamada a tarefas “superiores” e está um pouco afastada. Mas lembro dela se referindo a eles sempre como Grandes Pais e Mães, e dizendo que havia entidades, linhas e Orixás que não conhecíamos, Maiores e Menores, e que estes eram forças. E aqui eu faço esse novo parêntese: força sim, mas não qualquer força, forças primordiais, que outras religiões certamente chamaram de outros nomes, e que regem o entre-mundos da matéria e espírito.

Hoje eu fui conduzida pelo astral para estudar a História da Umbanda e acabei ingressando nos estudos da Tenda dos Orixás aqui na minha cidade, onde sempre aprendo muito, e onde também tenho continuado as minhas observações e experiências. Porém, ainda há muito para eu entender e aprender sobre isso.

Paz e Luz a todos!

the_fantastic_mr_fox_concept_art_chris_appelhans_21

Se você está lendo este texto, provável é que em algum momento, e talvez até neste agora, as coisas já desandaram para você.

Você pensou que estava tudo garantido, que estava indo bem e que estava fazendo a sua parte. Sua fé estava em dia, confiando na inteligência da Vida… Quando de repente o inesperado e o desagradável apareceram no meio do tempo, pondo a perder coisas caras e planos ou projetos que vinha acalentando por horas a fio. Você ficou desorientado, perguntando-se: por que será que isso aconteceu justo agora? E assim como a noite que chega, o brilho do seu ânimo desvaneceu.

Quando enxergamos com nossos próprios olhos os resultados de nossas mentalizações e esforços de crescimento pessoal se materializando em oportunidades, sincronicidades, novidades, regenerações, prosperidade, parece-nos que a nossa confiança em algo bom no Universo se renova. No entanto, é exatamente nos momentos difíceis que necessitamos reforçar nossa atitude de confiar na vida.

Se você sente que está a dar o seu melhor, seguindo seu coração, sua alma, sua essência, não deve se entregar ao desânimo e à decepção.

Lembremos que nossa parte está em manter a sintonia da positividade, da intenção firme. O papel da Vida é o caminho, é o “como”. Por vezes, nossos objetivos podem ser um, mas não necessariamente o caminho é o que nossa mente ainda muito pequena, e ainda inconsciente de todas as relações que unem a tudo, é capaz de imaginar.

É por este motivo que o infortúnio nem sempre é um mau sinal. Pode ser que o infortúnio lhe tenha cruzado o caminho justamente para livrá-lo de maiores dissabores… Ou ainda para lhe “ajustar a rota”, de tal sorte que se não viesse o susto, não entraria a criatividade em jogo se abrindo para outras opções. O contratempo que lhe atrasa, às vezes é o que salva de um acidente… A inevitável briga o que te livra de uma presença, um laço, que estava há muito lhe perturbando, para dar tempo de os corações amadurecerem em silêncio. Nada há por acaso, e estejamos certos que quando confiamos na Vida e temos a certeza de que ela opera para o melhor, não há perda, há experiência e ganhos.

Em termos de diferenciação, quando algo negativo se manifesta em transtorno, e neste caso nos vem em tom de alerta, o sofrimento caminha junto. Enquanto os pequenos desvios da Vida podem à primeira vista parecerem dolorosos ou surpreendentes, mas logo trazem paz e mudança. No primeiro caso estamos desligados do nosso plano íntimo, escrito em nosso espírito.

Na próxima vez em que você passar por alguma eventualidade, não se deixe entrar na paranoia, na dramatização, na atitude de que tudo está perdido, afogando-se em desespero. Seja o primeiro a dizer: “está bem, eu confio na vida, se não é, é porque não deu; noutro momento vai dar. Vou continuar fazendo o meu melhor… Tudo que eu precisar saber, a Vida vai me mostrar. Se eu tive de mudar algo, vou mudar sem lamentos. Sei que a alegria e a felicidade estão no meu destino, são meu direito. Não vou dar bola pra isso, vou ficar num sentimento interior de bem-estar, e se estou no bem, tudo vai caminhar bem e logo vou compreender este pequeno percalço, se ele veio, ele veio a meu favor.”

Estejamos sempre certos da inteligência de todas as coisas e de que a Vida está ao nosso lado, e em todos os momentos, aparentemente maus e nos bons, está sempre nos guiando para aquilo que temos condições de aproveitar, atravessar, e colher.

O Universo é um mar de riquezas, e toda experiência é rica.

Paz e Luz a todos!

making-a-murderer-1200x713

If you prefer you can watch the video on my channel where I speak about the reading – click here.

First things first.

My name is Nova, I’m 30 years old, I live in Brazil, and I’m a Psychic. I have degrees in health and therapy, but nowadays this is my work. I sense things, have visions, dreams, see or hear spirits… I use it to try to help people, balance their energies, get understanding on their problems and finding out what’s wrong.

I only tried once using my gift to investigate something. I admit it was out of curiosity and I’ve paid a high price. I contacted two violent cases, and as a result I got followed by its energies and presences, and took me days and a cold (Psychic Cold, it happens when we are overcharged with really bad energies) to get over it. That was the time when I promissed I would never ever try to do this again, but here we are. It was not my intention at all.

What happened is that while I was watching Making a Murderer, suddenly during Steven’s trial I had a glimpse out of nowhere. I saw Steven’s trailer right in front of me, the red one, on daylight, and saw to my left this deep darkness on the horizon. On it, I could feel that Teresa’s murder didn’t happen on Steven’s house, but on this other place, at full night, and I could sense two male energies with her at that moment.

Over the episodes this calling started to grow inside of me, like if I had to do something. And I did. I decided to do a Psychic Reading as an attempt do know more beyond the glimpse I’ve had. I used differente techniques on it: a personal Oracle of mine, Remote Viewing, Astral Projection, Meditation and for last a contact with Teresa herself. I admit I was a little scared at the beginning, but soon this spiritual guide showed up and guided me through all the process, and things just would flowed, and by the end, it was when all made sense to me. I didn’t have that bad experience as in the other time I went on “investigation”, and my guess is that this time I was really being “called out” and also because it wasn’t just for curiosity – I really wanted to help somehow.

*

Of course, just watching the docummentary gave me a lot of impressions. At the beginning I only knew that this series was causing a commotion on everyone, and there was a debate going on over someone being guilty or not guilty of a crime. Maybe this was when I first felt that “calling”. Well, as everyone else I grabed some snacks and soda, and went out for some entertaining, not expecting anything at all besides a good story. But as soon as it started, on the first episodes, I could see clearly that Steven Avery wasn’t guilty on the first case, and certainly not guilty in the second either. I could just tell who was lying, who was hiding something, who knew more than was telling… Everything only by looking at their faces and all those places. The first time I saw the SUV key picture on screen, for example, I just knew it was planted there.

I won’t say that the Avery’s didn’t have a complicated family story going on. They did. The energies on their Auto Savage Shop are quite heavy and having all those old cars and things makes an accumulation of more energies coming from other people, their past stories, etc. I saw that there were a few people on Steven’s own family that – I don’t know if I could say that – hated him, were hatred about him.

I know too that Brendan Dassey is innocent as well, he has a beautiful heaand he was instructed on his statements, not only by his attourney and the investigators. His cousin who claimed they have talked on a birthday party was threatened and coerced. His brother who told about the body joke was acting out of hard feelings and also on things he were told of.

But my job and intention on doing this Psychic Reading was never to accuse someone or to judge. I also want to make it clear that when I started to approach it, I took of my mind that I saw Steven as an innocent men, in the case I might’ve be wrong, but still I didn’t see him take parte in anything, neither Brendan. All I wanted was to know more of the truth and to see details or information that could be really useful for someone out there. And I saw, and felt, and sensed. From then to other conclusions it’s up to each and everyone’s own intelligence and logic. Besides, we as Psychics can’t always affirm things are 100% as they seem to be except in some experiences, because sometimes things will show up blurry, noisy, empty, symbolic or in other manners that are not necessarily so factual as in physical reality.

*

As far as I can tell, the crime took place at night on October 31st, around 11PM-01AM, but the body was hidden until November 4th when it was burned on the first hours.

On that Halloween, Teresa apparently took the pictures and got back in her car. While I watched her taking these pictures over an over – in different days I’ve repeated the contacts – I always felt the same thing: that there was something very wrong. And when she was in her SUV, her cell phone was a detail that catched my eye – there was something going on related to it. She seemed upset about a contact. I saw she turn the car on, and drive a little, but she had to stop: again it was something related to her phone. In one of my visions I heard her spirit saying “I was lured back“. So she went back to somewhere. Things start to get confusing from this point on.

Next thing I could see was she arguing with a man (remember: there were two men with her by the time she was killed). This man was a young one, in his 30’s, not beyond 40’s. He could be agressive, and was a troubled person, complicated, with issues, nor regular at works, wearing this white shirt, and sometimes I saw him wearing a black leather jacket. I saw his white skin, long face, big forehead, short hair, little eyes. He was after her for sure, and she knew him. He was not a stranger, he was not a serial killer, Teresa didn’t killed herself. So suddenly he started to get agitated and punched her, they fought. And then I couldn’t see more until later in that night, my guess is that she got unconscious.

(By the way: when I was seeing them fight, Teresa’s spirit appeared and pointed out to the man and said “It was him, he killed me!” – and I know who he is for I sensed and saw him very clearly in this vision and recognized him on Making a Murderer episodes)

After that I saw this place which is another important detail to the case. It seemed to me like a big shelter or garage, pretty long, dark, isolated, it was kinda empty, wet, and cold. I felt her skin touching the cold floor. The building seemed to have a pointed roof, big entrance gate (sorry if this word is incorrect, I’m not a natural speaker of english). Until this time Teresa was captive, she couldn’t talk (she had a gag on her?), and her hands were tied. I heard two men talking over something. They were planning what to do with her. From what I could understand on this scene, the other man was unknown to Teresa, and he was older, and was blackmailing and threatening the first man so he would follow his orders.

This second man was older, and had this aura of importance, of a big important person, an authority. He seemed to care little over ethics and what is right, as long as he would be fine. And it seems he wasn’t fine at all! He was trying to avoid something, desperate. He seemed to me like a person with expertize, knowledge of things. I had a vision too of this man driving from behind Teresa’s car. He was following someone, watching over some place, and this all crossed his path. This is how I understood it, but I might be wrong. He wore black clothes, his hands were in his waist (like if this was a trait of his usual body language).

Teresa could hear the talking, and she was terrified, in deep fear, and she knew inside of her that she would not gonna make it, she would not get out of there alive. And so it happened, it was really quick: the shots. One time I heard them loud, but on other time I was seeing this again I could not hear almost any sound, which caused me some doubt if it was possible that they’ve used a silencer or something else.

The ideia of burning her body came from Steven’s fire pit, which was burning that night. It was so convenient!

The body was removed from the place I saw and the car as well. Things then get a little confusing for me again. I only know that the body and the car were hidden for days and were related to this house which is another important place for the case. It’s a two level house, with white or very light-colored walls. I sensed that the second man got in touch with other men, and then we had this secret alliance. They planned everything. They had the know-how on getting rid of evidence, and messing things up, and they knew how to burn the body. The body was burned in an specialized device used for this purposes, and in a manner that some pieces of bone would remain. The car was clean and the cover-up came soon. They wanted to frame Steven. They had this strategy.

IMG_20160218_225816

This is a sketch I’ve done of the two buildings I saw.

Regarding the house, Teresa in one of my visions said to me: “they’re missing the papers in the house“. I felt these papers were evidence that could point to someone.

By the time they discovered her SUV, some people knew exactly where to look for it.

Speaking of evidences, the whole time I got in touch with the case it was very clear to me that there is still evidence out there, proofs, that could point to the real criminals. The phone calls were constant noises I’d hear, and the inbox messages that were deleted from Teresa’s voice mail would have pointed out to someone (they were deleted on purpose). The stalker we see Teresa’s friend speak about on one statement is something to be checked on as well. Also, money got involved behind curtains. Finally, there were these “papers“, and a key being mentioned that was not “found” and it’s supposed to still be inside the house. There can be more things I haven’t seen, of course.

The “secret alliance” had very important figures and authorities involved, some of which we saw at the docummentary and I won’t point them out. On the backstage there were more people, and I sensed a big politician too. It seems Steven’s was a trouble for many of these men who didn’t want to lose their status and this scheme of trading favours, influences, and stuff. This, personaly, annoyed me profoundly.

*

As I said before, my last approach was contacting Teresa herself in spirit. I need to say that I didn’t want to disturb her asking about the murder. I only wanted her to have a chance to say something, to give people a message wathever I’d be. With this intention I called out to her or to someone who could represent her. I saw the same spiritual guide who was all the time with me in this reading, and he brought her with him. They were coming from a place of light, so I knew she was fine somehow. She did appeared in spirit on my visions  on the other days, but this was very different.

She looked at me maybe feeling insecure or unsure. I told her about my intentions and that I wanted to help people and wanted to give her a chance to talk. She listened with great attention (which probably means she was a good listener to others in physical life). She thought and suddenly said “I agree”. From this point on she spoke while I was writing it all down. I had a impression that she sounded like a reporter, she was a really good observer, very practical when it came to facts, and maybe being a reporter was somehow in her dreams or skills.

It reads as following:

This was the most big injustice, for they know what really happened. They found me. I was alone. They started to talk how they would gonna do it. We fought, I fell. I knew time was over for me. I never would have thought he would be capable of that. I didn’t know the other man. Time went fast. There’s so much I’d like to say, but I can’t. They won’t allow me here [the spiritual guides]. Steven didn’t do it, he’s innocent. My mother doesn’t know anything, anything at all. She’s just trying to be ok. My [I chose to censure the word] is the one to talk about.

We were fighting a lot. He wouldn’t let me go. He said he’d go after me. And he did. I tried to hide. We argued. He punched me. I remember this cold floor; bloodtaste.

They never found the key, but it’s in their house, with the papers. The note is true [read bellow about this]. They all did it together, but they’re gonna pay, and are paying already.

As time goes by I’m ok. I don’t look back, I understand altought not always I can accept. They should have made right from wrong when they got a chance.

I miss Timy [at first I heard Nini or something like this then I searched online and found out one of her brother’s was Tim and she referred to him in this kind manner]. Time here is so fast. I’ll soon be there when all this is over for you. I appreciate your kindness, and I know it’ll help someone.

The dark night sticks in my head by surprise, when I dream [some spirits adjusting to the other side might sleep and dream here and then until they don’t need it anymore], and so I need too that this all go away for good.

I miss the plants, my friends, my home. Have to let go.

It’s time [for the message to end]. You’ve seen it all, you won’t see more. Be brave, life is good, but is only a chance. Stay truth… Bye.

I was really emotional after hearing this. I saw her smiling and waving goodbye, and she and the spiritual guide disappeared in light. I could feel her energy as kind and loving, and I felt truly sorry for her and for everyone who loved her. They were also victims of a big injustice.

For the message, if there are misspells or any coherence errors it might be due to my writing – the speaking was perfectly clear and fluent. The note mentioned it’s something I saw the day before I received Teresa’s message: a woman in a post I was reading and commenting told me of a note which had some misspells, and which said in it that the body was burned in a smelter on friday, november 4th, 3AM.

On the conclusion of my experiences I just knew that somehow justice would prevail eventually for Steven and Brendan. I’m not sure if they payment for the real criminals and their “mates” will come in jail, or in life itself.

As she told me, from that moment on I didn’t feel or see anything else regarding the case and had any visions or sensed anything else. It was only on her “report” I could make sense of everything, and I felt my part of the work was done.

*

I hope that this will get to someone’s heart. I don’t claim it all to be the absolute truth. I know that there are other elements or evidences I haven’t seen, but the main points I believe to be these. If you live in USA, please, do what you can to support Steven Avery and Brendan Dassey. Do what you can for a real investigation to take place! And everyone, pray for them, send light and love for them, because they need it. Both of them, and their families, as Teresa’s family as well, her friends, and this case itself which is buried in heavy and dark energies.

Thank you for your attention and may the Light of Life bless us all!

 

"Não tem ninguém aqui!"

“Não tem ninguém aqui!”

Existem momentos na vida em que a mediunidade da pessoa pode ser suspensa e até mesmo bloqueada, eu falei sobre isso anteriormente (clique aqui pra relembrar). Mas tem momentos também – e se você sensitivo ainda não passou por isso passará – em que nossos mentores resolvem simplesmente sumir, e a gente fica se perguntando “o que raios aconteceu?”.

Pois bem, em alguns momentos os mentores vão dar um tempo por motivos principais:

Necessidade de você dar atenção ao aqui e agora

Isso acontece num momento da vida ou fase em que você precisa colocar toda sua atenção nos desafios que estão vindo. É hora de você “aterrar” e procurar resolver as questões práticas, terrenas. De mais a mais, eles também vão se afastar se você precisa descobrir pro si só o sentido de alguma coisa, encontrar com sua própria inteligência alguma resposta, ou viver algum tipo de experiência da qual não pode ter avisos e pistas. Se você reparar bem é um princípio de não-interferência. O bem não gosta de ficar se metendo na vida da gente, e ele sabe que pra gente ter certos tipos de aprendizados precisamos fazer a “prova” sozinhos. Isso não quer dizer que eles não estão ali do seu lado, nem que sua proteção espiritual foi pro saco. É apenas uma missão solo temporária, e assim que termina, o intercâmbio retorna normalmente. (É claro, em muitos momentos os mentores também têm suas coisas pra fazer e resolver, mas não estou falando do caso em que você chamou e ele não apareceu, e sim de quando dias e dias se passam sem manifestações).

Não seguimento de algum conselho importante

Eu não sei como é com vocês, mas eu tenho um mentor que joga as verdades na minha cara quando eu estou dando uma de desentendida. Eventualmente a espiritualidade lança um conselho ou uma orientação, um sinalzinho, uma direção. O bem ele nunca te obriga, ele nunca manda, ele sugere, porque como falei o bem não se mete na nossa vida à toa. Mas quando os avisos são muitos, e principalmente claros, e você faz a egípcia, não quer ouvir, ignora, varre pra baixo do tapete, emburra com a barriga perispiritual, deixa pra lá… Bom, a quem muito é dado, muito é cobrado né? O povo some. É que nem você nos seus dias que tá lá toda disposta pra ajudar a criatura, e a criatura só faz o contrário repetidamente, é lógico que você vai ficar com nojo da pessoa e mandar ela praquele lugar. O astral é composto de pessoas, se eles não enxergam boa vontade eles não ajudam. Se eles vêem boa vontade eles ajudam quem for, seja ateu, seja descrente, seja o que for. No espiritual o que vale é a intenção das coisas. Outro exemplo comum é você justamente querer se meter onde eles te avisaram pra não se meter, ou com alguém que não é pra se meter, e você vai lá e se mete, aí sim eles somem e a proteção também pode sumir porque eles deixam você aprender a não ser bobalhão.

Há situações também em que você passa uma fase trabalhando muito com uma entidade que treina tua mediunidade em algum aspecto e vocês cumprem um tempo, e daí outra vem, ou mesmo ela fica afastada por um período enquanto você recompõe os componentes físicos mediúnicos. Tem vezes que um mentor se manifesta ostensivamente e depois só chega quando tem os momentos dele atuar na área de preferência dele. E, lógico, a gente tem o mentor de reencarnação que independente da “equipe” é o responsável por acompanhar a gente nessa vida.

Portanto nada de pânico tudo é contornável e temporário, mas acontece e é bom saber pra não se desesperar e sair por aí achando que amarraram seu santo. Podem tirar sua proteção, tapar sua sensibilidade, mas o mentor de luz nunca cai nesse tipo de mandinga tosca.

Paz e Luz a todos!

Freedom

“Not, today, Satan, not today!”

Olá vocês! Eu ando numa fase muito preocupada com quem é médium e sensitivo, porque tenho visto que os ditos “cursos” das religiões e doutrinas não preparam a pessoa muito bem pra viver o dia a dia dela. Sim, porque quem é médium e sensitivo não tem dia nem hora pra sentir e captar coisas, não é mesmo? Mas não só quem tem uma sensibilidade maior, qualquer pessoa, precisa aprender a se defender e se livrar das cargas que põem em cima da gente.

Na verdade, as coisas nos atingem não por acaso também. Elas mostram nossas portas abertas, aqueles pontos onde a gente mesmo não está tão forte, tão bem-resolvido.

De qualquer forma você já passou por uma situação de entrar num lugar e sentir uma coisa ruim. Ou então de receber aquela visita fdp e perceber que você se carregou ou chegou perto de fulano e começou passar mal. Até por telefone acontece. Mas também acontece de a gente se ligar numa situação que pode ser do passado, até do passado distante de 10, 20, 30, mais anos, e ficar vibrando naquilo. Isso sem falar né as mandingas e os desencarnados. Em resumo: lugares, pessoas, situações, coisas astrais, podem nos carregar.

E aí você começa sentir que não tá bem, ou fica agitado, ou puxa a doença do outro, as coisas na sua volta tudo dá errado, vira uma loucura. Principalmente o sono muda muito, fica ruim, e você se for se deixando envolver daqui a pouco nem pensa mais por si, já pensa e sente coisas que nem são suas.

Sabendo disso hoje eu vim ensinar um exercício bem simples pra cortar esses atrasos na nossa vida. Você precisa treiná-lo, então comece antes de dormir que ele já vai operar maravilhas no seu sono, mas com o tempo poderá fazer em qualquer lugar, só se retirando um pouco, e no exato momento que começar notar que algo está quase te contaminando.

*

Exercício Para Cortar Energias Negativas

  1. Feche os olhos na intenção de se ligar ao Astral Superior e faça uma prece ou oração dentro da sua crença e religiosidade;
  2. Preste atenção na parte interna do seu corpo, isto é, interiorize-se, sinta seu lado de “dentro”;
  3. Pergunte ao seu corpo: “Tem alguma energia ruim aqui dentro que precisa sair?”;
  4. Observe, ele vai te mostrar o rosto, a situação, o lugar, ou uma sensação específica e FÍSICA em alguma parte;
  5. Volte-se pro que foi mostrado e peça com toda sua fúria e vaquisse que o corpo jogue de volta aquilo, se quiser imagine duas mãozinhas de dentro empurrando pra fora;
  6. Repita a pergunta e o procedimento de jogar pra fora e de volta;
  7. Quando sentir que não mostrou ou não tem mais nada ruim, peça que a Luz o envolva e você fique só com você, diga que você não aceita e não quer mais essas interferências, mas com convicção de que você é dono de si;
  8. Deixe-se envolver pela Luz e sinta seu abraço;
  9. Encerre com sua prece ou oração dentro da sua crença e religiosidade.

*

Pois bem, é bem simples e você reparar. E como eu falei daqui a pouco na hora que as cobras ao seu redor estiverem já querendo te minar, você na hora já vai perceber e fazer isso sentindo seu corpo e empurrando na mesma hora enquanto fala com a amiga falsiane.

Outra coisa é que como sempre digo: SEM JULGAMENTOS. Se aparecer o mozão, ou a mãe, o pai, a amiga, o papa, não importa, manda pra fora. Não quer dizer que a pessoa seja má (embora você vai aprender notar quando é porque a gente “sente” diferente), mas que a energia dela dentro de você não te ajuda, não te faz bem. E só.

Se você sentir arrepios, ou espirrar, ou calor, ou frio, são sensações comuns de liberação da energia negativa. A energia negativa pode atingir o físico quando você tem contato com ela, e você chega no lugar ou pra falar com a pessoa e começa te dar igual uma alergia. Olho lacrimeja, nariz escorrendo, um horror. Mas pode se manifestar por cheiro, por sonho, por sensação física ruim… Aprenda ver como que os avisos chegam pra ti porque os avisos SEMPRE chegam hein? Não vai fazer o bobão ou a bobona e achar com essa boca mole “aí não sei se é…”.

Tudo que for ruim, que aparecer do nada, seja pensamento, sentimento, mal-estar, na dúvida, mande embora. Especialmente se não tiver motivo claro, não tiver origem, o famoso que “vem do nada”.

Se você é mãe, pai ou cuida de alguém pequeno ou incapaz de fazer isso por si, você pode fazer pela pessoa. Eu deixo (tô brincando). Você simplesmente se liga na pessoa em questão, seu filho, ou ente, coloca a mão sobre ele no peito ou cabeça, ou de mãos dadas, e mentaliza perguntando o que tem na pessoa, pedindo que saia dela, que ela fique protegida. Mas não vai querer se meter a salvar quem já é capaz de fazer por si, o bem sempre respeita o livre-arbítrio do outro. “Ah, mas ele tá precisando” (com aquela voz de boca mole de novo, já meio de choro que me irrita horrores). Ele que aprenda ou você reza por ele e confia que Deus vai fazer o melhor por ele! Cuide de si, aprenda se concentrar em si mesmo.

*

Bônus Track! – Esfera de Proteção

Se você sentiu a coisa pesar ou sabe que vai receber aquela visita, ou ir a um lugar ruim, ou que tem uma presença do mal encarnada ou desencarnada na sua volta, você pode fazer uma proteçãozinha. Uma mandinguinha. Você corta todo o mal né como eu falei antes, e daí você projeta pro seu redor uma luz branca formando uma esfera à sua volta. Uma esfera de luz branca. MAS, essa luz ela vem do seu coração brilhando, e você PRECISA sentir os melhores sentimentos que puder evocar, de bem-estar, de coisas boas, de tudo dando certo, e a luz desses sentimentos, dessa positividade formando essa esfera de proteção pra você e mantendo o mal lá na casa da sua sogra, aquela cobrona que eu sei que você anda já toda desconfiada dela e está lendo este texto é porque é mesmo uma safada.

*

Bom meus queridos, é isso, espero que seja útil e depois me contem como foram e ficaram!

Paz e Luz a todos!

food_food_art_2560x1600

Eu adoro comida, juro. Fui uma dessas crianças gordas que se criou à base de alimentos duvidosos. Minha alimentação só começou a mudar realmente durante minha faculdade de Naturologia Aplicada (Unisul), depois com meus estudos espiritualistas e por fim há 1 ano quando me tornei vegetariana (estou fazendo “aniversário” neste mês de setembro).

O motivo que me levou ao vegetarianismo não teve nada de místico, foi algo bastante natural eu diria. Nos últimos anos já não me “sentava” bem as carnes, especialmente a vermelha, até que eu comecei a pensar: e se eu tivesse de matar um bicho pra comer, eu teria coragem? A resposta era não, eu, Rafa, não teria. Outras pessoas podem ter, inclusive outras pessoas ganham a vida assim ou o fazem por esporte como na pesca. Então se eu não conseguiria, por que raios eu continuava consumindo carne sendo que ela já nem me fazia sentir bem fisicamente? Eu tomei iniciativa e parei, simplesmente parei.

Parêntese: eu já havia tentado parar de comer carne durante a faculdade e em outros momentos e nunca consegui. Mas como disse chegou um tempo, naturalmente, em que as coisas aconteceram. Tanto que nunca senti falta nem vontade mais de comer carne, e vivo muito bem.

O que me levou a escrever sobre isso é que as pessoas me pediam muito pra comentar esse assunto, e eu acho que uma das principais questões delas é se o vegetarianismo ajuda ou não ajuda a pessoa espiritualmente.

A verdade é que em termos de exercício mediúnico eu não notei tanta diferença. Ser vegetariano não te torna um médium mais potente, sinto desapontá-los. Está aí Chico Xavier que não dispensava um bife, e ainda não foi superado em poder de fogo. Em termos morais também sinto desapontá-los, mas Adolf Hitler não fumava, não bebia, e não comia carne, e deu no que deu.

Por outro lado, eu posso afirmar com todas as letras que minha saúde melhorou muito depois que parei de comer carne. Muitas pessoas gostariam que eu estivesse anêmica e caindo de fraqueza, mas eu continuo viva e ainda mais saudável. Eu cheguei a praticar o veganismo por meses e nesse tempo minha saúde atingiu o seu ápice. Hoje eu dou preferência a alimentos e receitas veganas, mas me coloco como vegetariana. E como todos sabem eu sou transgênero (MtF), e portanto antes e ao longo de todo esse tempo tenho aí meus exames médicos costumeiros atestando o que eu digo.

Lembro que eventualmente quando estudava alguém vinha e falava que tinha voltado a comer carne porque precisava se “aterrar”. Eu acho algo questionável. Não sei se eu sou defeituosa, mas não me senti nas “nuvens” por deixar de comer carne. Agora, o que posso também dizer é que minha digestão era terrivelmente pesada e lenta, portanto realmente como um todo meu corpo ficava num estado afim a isso. A alimentação vegetariana me fez sentir fisicamente mais leve e mais disposta, isso por si só já me é um bom ganho, pois me trouxe mais bem-estar.

Mas eu sei, seus danadinhos, que vocês não estão aqui pra ler sobre as mesmas coisas que vocês leem em outros lugares, vocês querem saber das questões de energia! Vou saciá-los, então.

Os alimentos têm energia e isso interfere em nós e é aí que o caldo engrossa mesmo.

Lembro como se fosse ontem quando eu estava na faculdade e fomos visitar esse horto medicinal num lugar que não vou citar, e como eu sou sensitiva, logicamente captei alguma coisa. Mas o que captei me surpreendeu: eu percebi que as plantas estavam “tristes”. De momento achei que eu estava pirando, mas depois eu fui aprendendo que plantas respondem à pessoa que cuidam delas. Nesse caso, embora inteiras e saudáveis, a resposta emocional delas não era boa e isso gerava uma energia afim – e, note-se, esse lugar fabricava fitoterápicos.

Do mesmo modo lembro de uma vez que vi um tomilho feliz. Noutra feita eu mesma tinha plantas em casa e conseguia perceber que cada uma tinha um “jeito”. E se consumimos plantas, não comemos só compostos orgânicos, mas também absorvemos essa energia delas. Isto é, absorvemos a energia dos alimentos.

Se você bebe leite, pegue por exemplo um leite da vaca de uma fazenda em que vive bem-cuidada e o leite industrializado de caixinha. O primeiro leite está impregnado de energia vital, o segundo é um alimento energeticamente “morto”. Se a vaca da fazenda além de tudo for tratada com carinho, o leite estará ainda mais rico energeticamente, pois tudo que fazemos e tratamos com carinho ganha energia e responde com uma energia melhor. Qual dos dois, embora semelhantes em termos nutricionais na tabelinha safada, você acha que vai te fazer sentir melhor?

Esses dias fui dar palestra no Centro Espírita e falava sobre “cuidar do corpo e do espírito”, e com o mentor maroto me inspirando, estava questionando quantas vezes nós comemos sem nem sentir o gosto das coisas? Quantas vezes comemos porque a cabeça quer uma coisa, mas não ouvimos e sentimos o que o corpo quer lá no fundo? Você já fez as duas coisas. Quando você se guia pela cabeça, você tem vontade de comer alguma coisa, nem sabe o quê. Vai lá, se entope e passa mal. Quando você se guia pela sensação que o corpo te traz, o popular desejo, e você dá ouvidos a isso, vai lá e come – na medida do que seu corpo quer, pode ser algo não tão considerado saudável, mas aí você se sente muito bem e ainda diz “ai, coisa bem boa, comi com gosto!”. Estamos comendo com gosto de menos, ouvindo pouco essa sensação que vem de baixo (corpo), e usando muito a vontade ansiosa que vem de cima (cabeça).

Aí entra um paradoxo: se você ouve os desejos do seu corpo, nem sempre ele quer frutas e verduras, às vezes tem algumas dessas coisas que ele nem quer tocar… Mas se você o segue, sua energia melhora. O que apreendo disso é que o saudável é bastante individual e momentâneo, é de cada um para cada um, cada um tem escrito em seu ser as suas melhores “fontes”. Cabe ouvir-se.

Durante muito tempo eu fui viciada em refrigerantes, até que com o tempo de vegetarianismo fui me desapegando. Hoje consumo eventualmente. Quando tomo um refrigerante acho o gosto mais desagradável do que agradável, doce demais. No entanto, minha cabeça sempre gostou; porém quando comecei a ouvir meu corpo percebi que o refrigerante me faz infinitamente mais mal do que uma fritura, mas isso é o meu corpo. Cada um tem a missão de desvendar o seu. E por querer ouvir o meu corpo, parei de tomar e isso só me trouxe ganhos. A sua experiência pode ser outra.

Jesus dizia que o mais importante não é o que entra pela boca, mas o que sai dela. Ele não estava só dando uma moral, ele também estava ensinando sobre esse tema da alimentação. Quanto mais você estiver de bem consigo, numa energia boa, tende a tolerar alimentos ruins – sua energia vai se sobrepor e anular algumas destas energias nocivas. O que sai da sua boca demonstra esse ser interior, quem você é, se você anda no caminho errado, dando o pior de si, tudo lhe fará mal, até as coisas positivas – elas não conseguirão te fazer bem.

Agora, se você me perguntar: mas e aí como vai ser no futuro? A resposta é bastante simples. A humanidade no futuro vai parar de comer carne e de consumir produtos de origem animal.

Eu sou uma sensitiva que pressente o futuro e algumas coisas me permitem saber. Num primeiro momento, que já está acontecendo, cada vez mais pessoas começarão a se tornar vegetarianas. Existirão carnes, mas serão de origem vegetal, condimentadas para mimetizar o gosto da carne normalmente consumida. Num segundo momento mais adiante, a humanidade caminhará para abolir tudo que venha de origem de exploração animal. A soberania da vida estará em primeiro lugar e isso melhorará e muito as coisas, não apenas energeticamente, porque refletirá um outro tipo de atitude.

Se você consome a carne de um animal que foi confinado, sem a menor consideração, maltratado e morto com medo e de forma cruel, essa energia ficará ali. É como a história que contei do leite – se você precisa consumir carne ainda, qual das duas carne lhe fará melhor em energia: essa primeira, ou uma segunda advinda de uma criação onde o animal não está confinado, que tem boa alimentação, que encontra a morte de uma forma menos cruel? Precisamos começar a pensar naquelas casinhas metálicas dos frigoríficos e fazendas, no que existe dentro delas. Não faltam documentários que podem te falar sobre isso.

Para quem simpatiza com o vegetarianismo sugiro se informar sobre o movimento da “segunda-feira sem carne”. Eu garanto que de início parece que não vamos comer nada além de alface, mas o mundo está bem equipado graças a Deus, nós é que estamos há muito tempo mal-informados.

Se você parar para analisar o bicho “homem” como animal, verá que ele não veio de fábrica com grandes caninos como os leões altamente carnívoros, nem com um trato digestivo semelhante ao de animais predadores do gênero. Eu diria que o corpo humano tolera a carne e o que tem origem animal, mas está muito melhor adaptado à dieta vegetariana. É como ser uma coisa total flex onde um combustível terá uma qualidade x, outro y, outro z. Daí você consulte seu manual aí dentro do seu coração e corpo e sinta e preste atenção onde você roda melhor. Talvez existam pessoas que se sintam ótimas comendo carne, muito energizadas e dispostas e com boa digestão – não cabe a mim julgar ninguém, pois cada um é um e eu procuro estar aberta e saber que existem exceções para tudo.

Para finalizar o hábito de abençoar os alimentos é uma grande mão na roda. Isso ajuda a deixá-los melhores, e neutralizar a negatividade que esteja impregnando. E claro, alimentos podem ser amaldiçoados e trazer o mal: um bolo de cenoura da sua inimiga pode te derrubar e você por ignorância (e gula) ir logo comendo a comida linda daquela pessoa de energia peçonhenta e depois não entende o que houve com sua vida que ficou de pernas pro ar. Do mesmo modo muito cuidado quando você for cozinhar, lembre-se que cozinhar é como praticar magia, sua energia irá também pro alimento, do mesmo modo que o alimento que você recebe traz uma energia. (Um “inocente” cafezinho que eu tomei desavisadamente me pôs dois dias de cama até que descobri que tinha sido feito por uma pessoa que me odeia, trabalhei no Reiki pra me limpar da carga e melhorei na mesma hora).

Acho que na verdade falei muito e não trouxe grandes conclusões, acho que com o que contei cada um pode tirar para si suas próprias considerações. O importante, acima de tudo, é sempre buscarmos o nosso bem-estar e a felicidade, e que na soma da positividade o mundo se torne um lugar melhor.

Paz e Luz a todos!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 146 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: